Chegando lá!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Mudando...

Quem me acompanha sabe que essa questão de peso é o centro do meu mundo desde que tenho 13 anos , ou seja a maior parte da minha vida. Depois que eu tive aquele probleminha de saúde......engordei um pouco. No total, estou 3 kgs mais gorda do que a "meta" que me dei. Mas na verdade, ando tão de saco cheio de tudo isso. Vi que passei minha vida pondo tudo em segundo plano : Faculdade, carreira, família por que se não estivesse com o peso ok, eu não poderia fazer nada, não estaria inteira. Só que é tudo ilusão. Emagrecer até me faz me sentir mais bonita, as roupas caem melhor e tal mas não me faz necessariamente mais feliz. Estou com 55 kgs mais ou menos e o que realmente me incomoda é meu tronco que eu tenho que melhorar com exercícios e melhorar a alimentação. De resto, acho que não faz sentido aos 39 anos querer ter o mesmo corpo de quando tinha 13 ou 14.
Mudei meu conceito de beleza, embora ache que ainda estou amadurecendo isso. Fico mais nova e mais bonita com 55 do que com 52, eu acho.
não estou fazendo apologia à gordura mas comecei a ler livros que falam um pouco sobre essa libertação de ser obrigada a ter um corpo assim ou assado e ter um peso ideal. Aliás , nesses livros eles falam em peso natural, que acho que é mesmo muito mais sensato do que se matar de fome pra pesar tanto, igual a tal atriz ou modelo.
Li "Mulheres, comida e Deus", bem interessante e a autora prega que se comermos de forma natural, o que nosso organismo ,não nossas emoções pedem ,iremos chegar ao peso que é correto para cada um , naturalmente. É isso que estou tentando fazer, ainda que muito lentamente por que nunca sei quando parar de comer. O mais difícil na abordagem desse livro é que precisamos confrontar nossas emoções ,seja tédio, medo, solidão e não chafundarmos o que está nos incomodando num pote de sorvete ou numa pizza. O que pra mim é muito duro...ainda uso muito o conforto da comida pra não ter que enfrentar solidão,medo, angústia...
Aos poucos vou chegando lá. Talvez, só agora, depois de tantos anos, eu esteja vendo o tempo que perdi obcecada por uma coisa, por uma meta pra não ter que enfrentar a dureza da realidade, pra não ter que correr riscos, assumir responsabilidades...o livro mostra que precisamos viver o agora e não ficar fazendo planos para quando formos magra, observar cada detalhe que a nossa vida nos mostra ,seja uma cor ou um ruído. Coisas que ficaram no caminho enquanto estávamos tão fissuradas em tabelas, exercícios e peso.
Não é fácil pra mim, mas estou disposta a seguir adiante. Afinal, o que ganhei estando magérrima? A admiração de algumas pessoas sim,mas me privei de tanta coisa, tanta vida!!
Quero salientar que não quero ser gorda, quero manter meu peso, ser saudável , apenas acho que não preciso me torturar pra atingir um padrão que não é o meu. Aliás, dei todas as minhas calças 36, agora visto 38 e ponto final.
Sei que esse post pode parecer confuso pra algumas, mas sei que muitas de nós se sentem pressionadas a serem magras quando abrem essas revistas com essas mulheres esquálidas ,pela televisão e até por elas mesmas. Vcs já notaram que hoje em dia as pessoas não falam "-Fulana não é gorda nem magra? Ou você é gorda (às vezes usando 42) ou é magra (e veste 34,36).
Somos mais do que uma numeração!

Vamos ser felizes agora?
Bjs!!


Lindas! Meu novo padrão de beleza.




5 comentários:

Mili disse...

Adorei seu post! E ser feliz é se sentir bem, ter saúde e viver com equilibrio, não somos mesmo números!
Adorei!

Danielle disse...

Oiiiiiii quanto tempo heim? Sabe eu penso bem assim por exemplo eu busco um corpo legal para eu poder encontrar roupas que me caiam bem , mas ser magrela para mim não mais , e sabe como descobri isso quando estava conversando com o meu marido e passou a Letícia Sabatella na minissérie sobre JK e ele disse olha que feio que está esta mulher parecendo até doente, sem feminilidade, magra e seca e isso saiu naturalmente da boca dele e eu na época achava que se eu ficasse magra iria estar bem aos olhos dele e ai eu perguntei mas porque está falando assim, ele disse Dani mulher tem que ter formas, fica muito mais feminina eu gosto por exemplo do seu corpo que é fofinha, sexy e por ai vai. ai eu me toquei Dri que eu não precisava fazer uma loucura total de emagrecer horrores e nisso tento pelo menos chegar nos 65 ... rssrsrsrsrs ai que difícil viu...rsrsrsrsr não saiu da casa dos 70.
Mas firme estou e sei muito bem o que vc quis dizer não é nada confuso é real.
txau
Dani

Carol Campos disse...

Oiiie....
Adoreii seu post...
Concordo plenamente com você...
Acho que evitar a obesidade é algo totalmente diferente de passar fome para ter o corpo perfeito...
E aliás, não existe corpo perfeito...existem aqueles corpos de revistas cheios de photoshop...que com certeza tem suas imperfeições...
O importante é ser feliz...
Sempreeeeeeee...

Bjinhosssssss

Lu Pinheiro disse...

Oi amiga...
concordo com vc, devemos ser saudáveis e não magrelas, eu sou a favor de ser gostosona e boasuda rs...
bjs da Nega

Cris disse...

Amiga,
Eu tb era muuito neurótica e dei uma melhorada...Nossa com 55 eu me achava gordaaaa. To com quase 60 e nem por isso to arrancando os cabelos..nem deixando de viver.
Dri, sou larga em cima sim, tanto que visto 40 em baixo e 42 ou mais em cima, uso até extensor para sutiã por causa das costas largas.
Tb li esse livro e maie to até precisando ler de novo p ver se volto a me alimentar feito gente e nao comendo emoçoes o tempo todo!
Bom ver vc por aqui!
Bjs CRis.